17/07/2017 - Atualizado em 17/07/2017 as 06h50

EDUCAÇÃO

o Governo Federal e o corte de R$ 3.635.935.92 do reajuste do FUNDEB para Caxias.

Salas de aulas vazias e professores e alunos nas ruas. O dia 14 de julho amanheceu com estudantes e trabalhadores da educação protestando contra o Governo Federal e o corte de R$ 3.635.935.92 do reajuste do FUNDEB para Caxias. Cada polo da educação municipal foi mobilizado.

“Estamos aqui reivindicando nossos direitos. Um direito que foi tirado. O governo Temer tirou mais de R$ 3 milhões do FUNDEB. Então isso prejudica nossa educação. As crianças são o futuro do Brasil. Mas como é que vamos falar em futuro sem investir nas crianças. Em vez de cuidar dessas crianças, melhorar o ensino, o recurso é cortado. Para que as crianças sejam o futuro do Brasil, os nossos poderes, tanto legislativo, executivo e judiciário e a sociedade devem cuidar do melhor para as crianças para que mais tarde nosso país seja de qualidade e bem desenvolvido” diz Maria de Jesus – professora da Escola Santo Antônio.

Em frente à Prefeitura de Caxias, concentraram-se professores, alunos, coordenadores e gestores das escolas das seguintes unidades de ensino: Gilberto Barbosa; Acrisio Cruz, Anexo da Vila Paraíso, Escola Paulo Marinho, Escola Joaquim Francisco e Santo Antônio. Durante o ato, foi lido o manifesto da União dos Dirigentes Municipais (UNDIME), que cobra o cumprimento do custo aluno e outras pautas.

“Esse manifesto é reivindicando para que o Governo Federal retorne esse valor. Estamos aqui exigindo a anistia do ajuste negativo do FUNDEB relativo ao ano de 2016/2017, assim como o cumprimento imediato do custo aluno”, lembra Sandra Costa, Membro do Conselho Municipal de Educação.

Em todo o país foram suspensos R$ 224 milhões de reais. As prefeituras do Maranhão estão sendo penalizadas em R$ 177 milhões de reais por mês, desde o dia 10 de julho.

“Hoje representa para todos nós maranhenses, uma luta de Caxias e de todo o Maranhão. Hoje todas as Secretarias de Educação estão paralisadas no sentido de atendimento ao público, mas estamos trabalhando com nossos alunos, professores e gestores em prol de que o governo Temer reveja essa punição de sequestrar um valor tão alto das prefeituras. Caxias como tantas outras prefeituras está surpresa com essa retirada inadmissível do Governo Federal. A UNDIME nos contatou, tivemos reunião e audiência em São Luís de todos os secretários, OAB, Ministério Público, todos os sindicatos estaduais, municipais, acertaram e fizemos esse acordo para que o dia 14 fosse o dia D de protesto, de mobilização, por essa mudança e também pela anistia dessa conta. Nós precisamos desse recurso de volta, porque nós precisamos investir mais na educação”, destacou Ana Célia Damasceno, secretária Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia (SEMECT).

Confira a reportagem:



Deixe seu comentário: